Paixão Adolescente

by - terça-feira, maio 20, 2014

     

     Me lembro bem a primeira vez que te vi. Nunca fui de acreditar em amor à primeira vista, mas, naquele momento, quando nossos olhos se cruzaram não teve como não acreditar. Me senti mal por meu coração ter acelerado por um menino que vi passando na rua. Não o conheço. Admito que já o vi pela cidade, até porque cidade pequena é sempre assim.
     No dia seguinte o vi entrando na escola. percebi que tinhamos amigos em comuns, e quanto mais eu sabia dele mais rapido meu coração batia. Passei o resto do dia pensando naquele sorriso e em como seus olhos eram lindos. Dividia meu tempo em real e imaginário. O real eu me olhava  no espelho e explicava a mim  mesma  que o amor era para pessoas sensiveis e fofinhas, e que eu tinha sonhos que com certeza um namorado iria estragar tudo, e eu não era esse tipo de pessoa fofinha e romântica. Já no imaginário me via nas protagonistas de comédias românticas e ficava imaginando como seria o dia seguinte,  e montando como eu queria que fosse. Como se eu pudesse controlar tudo que acontece ao meu redor.
     Era uma batalha travada lá no meu interior, uma discussão frequente entre o coração e o cérebro, lá onde ninguém consegue ver e entender. No dia seguinte vieram falar comigo, ele queria me conhecer. Me fiz de difícil. Bom, isso dava certo em filmes.O resto do dia não teve nada interessante, foi a mesma rotina de sempre, e lá se foi mais um dia em que eu montei tudo querendo que acontecesse no dia seguinte. Ok, eu sabia que nada daquilo acontecia, mas o coração ganhou a batalha interna e lá estava eu entregue a paixão adolescente.
     No dia seguinte esperei ele entrar e nada. e na hora do intervalo lá estava ele. Ajeitei meu cabelo, e fingi que não tinha o visto. Ele começou a caminhar em minha direção. Arrumei meu cabelo e virei para falar com a Vivi, minha amiga de escola. E quando me dou conta, ele esta abraçando ela. Não tive reação. Pedi licença e fui para o banheiro me trancar em uma das cabines e chorar. Eu não podia culpar ela. Eu não tinha contado a ninguém sobre o que eu sentia. Então tomei a decisão de não me apaixonar. Claro que isso não ia dar certo, porque não mando no coração. Mas paixão adolescente nunca mais!

You May Also Like

2 comentários

  1. Decepções amorosas :/ e infelizmente não mandamos no coração.
    Ps: vi no link da Bruna Vieira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seria ótimo se mandássemos no coração, né?
      Beijos =)

      Excluir

Comente aqui =)